Follow us on Facebook!
Follow us on Twitter!
Follow us on Youtube!

 

O aumento do número de pessoas afetadas pela COVID-19 gerou grande preocupação, tendo forçado vários países a implementar medidas para impedir a propagação do vírus. Estas medidas são, em muitos países, muito restritivas e podem incluir o distanciamento social e o trabalho a partir de casa, numa situação de quarentena voluntária ou de isolamento, a fim de evitar a infeção do próprio e de terceiros.

A informação que recebemos todos os dias aumenta a preocupação e o medo da população em geral, e especialmente de doentes, como aqueles que sofrem de mieloma múltiplo e amiloidose AL, que se podem sentir particularmente vulneráveis durante este surto de coronavírus. Não podemos esquecer que os doentes com cancro, e especialmente aqueles que estão atualmente a receber tratamento, têm um sistema imunitário enfraquecido, o que os coloca em maior risco de infeção em geral, o que também se aplica ao coronavírus.

As situações decorrentes das medidas restritivas tomadas pelos países para evitar a propagação de doenças, como a quarentena, alterarão as rotinas das pessoas durante períodos de tempo consideráveis. Este pode ser, por si só, um momento difícil, podendo causar pensamentos negativos e sentimentos de medo e ansiedade. Sabemos que, em alguns países, esta quarentena durará um mês ou mais. Na verdade, ainda não sabemos quanto tempo poderá durar, nem quanto tempo estarão em vigor as restrições. Por isso, é agora mais importante do que nunca ter tempo para cuidar da sua própria saúde física e mental.

Com a ajuda de Fátima Castaño, psico-oncologista, o MPE resumiu abaixo algumas orientações que o ajudarão a lidar, da melhor forma possível, com o confinamento.

1. Tire algum tempo para tornar o ambiente da sua casa confortável e relaxante, não só com o seu ambiente físico, mas também com coisas que o possam ajudar a descontrair e promover o prazer, como livros, música ou outras coisas que o possam ajudar a ocupar o seu tempo, e a sua mente de uma forma positiva.
 


2. Uma rotina é sempre boa para a sua saúde física e mental. Durante este período, manter a sua rotina normal tanto quanto possível, ou criar uma rotina para si próprio, pode ajudá-lo a manter-se saudável e feliz. Certifique-se de que a sua rotina durante este período inclui hábitos saudáveis tais como dieta, sono, atividade física e tempo livre.

3. Não passe o dia inteiro de pijama! Estar em casa não significa que não possa começar o seu dia da mesma forma que fazia antes da quarentena. Isto pode ajudá-lo a sentir-se mais ligado aos seus hábitos normais e ao mundo exterior, e pode melhorar os seus sentimentos de positividade e produtividade!
 


4. Se está a trabalhar em casa durante este período, e é capaz de o fazer, tente diferenciar a área que utiliza para trabalhar, e a área que utiliza para desfrutar do seu tempo livre. Tente criar um “Home Office” com todo o equipamento à sua volta para fazer o seu trabalho da forma mais normal possível. Isto pode incluir a utilização de um quarto de hóspedes, ou canto da sua casa, como uma “zona de trabalho”. Se tiver a possibilidade de o fazer, tente manter esta zona de trabalho separada do local onde passa o seu tempo livre para que também tenha um espaço para relaxar e descontrair após o seu dia de trabalho.
 


5. A quarentena pode ser solitária, e é importante reconhecê-lo para evitar sentir-se isolado e desligado da sua vida normal e do mundo exterior. Embora não haja dúvida de que haverá restrições a estar fisicamente perto dos seus amigos, família e entes queridos, felizmente existem outras formas de se manter em contacto. Agendar chamadas de vídeo, chamadas telefónicas regulares e manter o contacto através de e-mails, serviços de mensagens e redes sociais são formas de a tecnologia o ajudar a manter-se ligado aos seus entes queridos. Trabalhar a partir de casa também pode fazê-lo sentir-se isolado se estiver habituado a trabalhar num ambiente de escritório. Pense em agendar chamadas ou videochamadas regulares de atualização com a sua equipa, colegas, chefe e outros parceiros para se certificar de que continua a sentir-se integrado no seu ambiente de trabalho.
 
6. A quantidade de informação que todos recebemos sobre o surto de coronavírus, através das notícias, das redes sociais, dos governos locais e nacionais e dos nossos prestadores de cuidados de saúde, pode por vezes ser esmagadora, sendo por vezes difícil evitar que isso nos faça pensar ou sentir emoções negativas, como o medo, a ansiedade ou o desespero. Se achar que é esse o caso, tente limitar a quantidade de informação que está a receber sobre o surto. Pode ser útil racionar a sua utilização das fontes de informação; talvez limitar a quantidade de tempo que passa nas redes sociais, a ver as notícias, ou a ler sobre o surto on-line. Embora seja importante mantermo-nos informados, é fácil concentrarmo-nos de tal forma nisto que pode ter impacto na nossa vida quotidiana e no nosso bem-estar.
 


7. O seu profissional de saúde pode ter sugerido alterações ao seu tratamento durante este período. Isto pode incluir alterações ao seu horário de tratamento ou medicação. Compreensivelmente, isto pode ser confuso para si, e pode fazê-lo questionar o seu novo plano de cuidados, ou o seu médico. Pode também estar preocupado com alterações nos efeitos secundários, ou na eficácia da sua nova rotina. Tente lembrar-se de que, se o seu profissional de saúde recomendou alguma mudança no seu tratamento, isso é para o proteger a si e à sua saúde durante este período em que é especialmente vulnerável; em particular, é provável que essas mudanças tenham sido feitas para apoiar o seu sistema imunitário e reduzir o risco de infeção. Se continuar a ter quaisquer dúvidas ou preocupações, ou se tiver preocupações sobre o seu plano de tratamento existente durante este período, fale com o seu médico o mais rapidamente possível para que possa compreender quaisquer alterações, ou se for necessária uma mudança, e participe ativamente nas decisões sobre o seu tratamento.

8. Mesmo durante este surto, e de acordo com o seu plano de cuidados personalizado, poderá ter de ir ao hospital para receber o seu tratamento ou para visitar o seu médico. Nestes tempos, é inevitável que tenha preocupações sobre o risco potencial de infecção durante a sua visita. Falar com o seu médico sobre se a sua visita é absolutamente necessária pode ser útil; pode haver a possibilidade de adiar a sua consulta, ou realizar a consulta de outra forma, por exemplo, por telefone ou de forma virtual. Se não houver possibilidade de adiar a consulta, deve certificar-se de que segue todas as orientações relativas à redução do risco de infeção durante a viagem de ida e volta ao hospital. Lembre-se que é um decisor importante no seu próprio plano de tratamento e, nestes tempos de incerteza, é fácil sentir falta de controlo – se se sente preocupado com a forma como os seus cuidados ou saúde podem ser afetados pelo coronavírus, deve falar com o seu médico e profissionais de saúde para se manter informado e estar envolvido na tomada de decisões e no planeamento do seu tratamento.

9. Por último, tente manter-se positivo! Sabemos pela investigação que uma mentalidade positiva pode ajudá-lo a sentir-se menos ansioso, a sentir-se mais saudável na mente e no corpo, e a controlar-se mais a si próprio e ao seu ambiente. Tente não pensar nos piores cenários, ou em coisas que possam correr mal, pois isso pode fazer com que se sinta pior. Em vez disso, siga todos estes passos para se manter tão saudável quanto possível durante este período difícil.

 

Traduzido por Ibidem Group